BEM VINDO A TODOS!

sábado, 12 de março de 2011

ATITUDES PARA UM VENCEDOR



Como Enfrentar as Dificuldades?



I. COMO ENFRENTAR AS DIFICULDADES

1) AFIRME - Afirme e continue a afirmar até que acredite que, com a ajuda de Deus, você poderá lidar com a dificuldade. (Fp 4.13).

2) NADA DE PÂNICO Não deve haver pânico, pois uma dificuldade jamais pode ser tratada emocionalmente. Mantenha a calma. (Mt 14.22 – 33)

3) ORGANIZE Organize a dificuldade, separe a dificuldade em partes e estude os seus componentes. Novas intuições virão (Mc 6. 30 – 44).

4) PENSE Sempre aplique raciocínios sólidos, razoáveis. (Lc 14. 28 – 32).

5) POR QUE EU? Não pergunte: “Por que eu?” ou sinta que está sendo pressionado quando a dificuldade se apresenta. A vida é assim. Todos têm dificuldades, mais cedo ou mais tarde. (Êx 4. 10 – 13).

6) PACIÊNCIA Pratique a paciência, pois algumas dificuldades não são resolvidas da noite para o dia (Sl 40.1).

7) ACEITAÇÃO – A aceitação é importante. Diga a Deus que, se tiver de conviver com essa dificuldade, irá aceitar a vontade dele e saber que receberá a força necessária. (II Co 12. 7 – 10).

8) APRENDA Veja o que pode aprender com a dificuldade, a fim de poder lidar com um problema parecido em outra ocasião (Jó 5. 17 – 27; 42. 5).

9) MAIOR É DEUS. – Afirme todos os dias: “Deus é maior do que qualquer coisa que possa acontecer-me”. (I Jo 4.4; I Jo 5 .4).

10) ENTREGAR TUDO A DEUS Depois de ter feito tudo o que puder, coloque a dificuldade nas mãos de Deus com a confiança de que Ele mostrará a solução (Sl 37.5).

II. COMO VENCER A PREOCUPAÇÃO

1) HÁBITO - O hábito é uma preocupação que se desenvolve durante um longo período de tempo. Qualquer hábito que a pessoa venha a formar pode ser também posto de lado. O primeiro passo é então abandonar o hábito da preocupação. (Mt 6. 25 – 34).

2) ESTRANGULAR. - Esse é o sentido básico da palavra preocupação: Estrangular ou sufocar. Ela pode aniquilar sua energia e eficácia natural. Não se estrangule com pensamentos preocupantes (Fp 4. 6, 7, 11 – 13).

3) TOLICE. – A preocupação é isso. Uma perda tola de energia mental. Foi estimado que 40% das suas preocupações estão ligadas ao passado, 50% se relacionam com o futuro e 10% com os problemas presentes. 90% da maioria das preocupações nunca acontecem. Você pode lidar com os 8% restantes. (Fp 3. 12 – 14).

4) ESQUEÇA. - Um meio eficaz de deixar de preocupar com erros do passado é tornar-se hábil em esquecer. O passado já passou, portanto, esqueça. Diga todos os dias em voz alta: “Esquecendo-se das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3. 13, 14).

5) DEIXE PARA LÁ. “A essência do gênio é saber o que não tem tanta importância assim”, disse o grande psicólogo e filósofo William James. Quando a pessoa preocupada aprende a não lidar tanto para as coisas, a atenção diminui, a tensão se desintegra, e uma nova atitude pode ser “Deixa pra lá!” Isto é importante para a cura da preocupação. (I Pedro 5. 7).

6) FUTURO. - Deixe de procurar pontos negros no futuro. Espere um futuro cheio de luz, em que Deus protege você. Não se preocupe com o que possa acontecer. Mas crie acontecimentos felizes mediante a fé. (Sl 112. 4; Sl 55.22).

7) IMPERTURBÁVEL. Você não será uma pessoa preocupada se cultivar a atitude da serenidade. Apesar da ansiedade ou o estresse, diga e creia: “Deus está me mantendo calmo e em paz”. (Lc 10.41,42).

8) VAZIA - A mente pode ser esvaziada de tudo. Se você a tiver enchido com pensamentos preocupados, comece agora a esvaziar sua mente desses pensamentos. Um meio de fazer isto é declarar com autoridade: “Estou agora esvaziando minha mente de toda preocupação, ansiedade, medo e insegurança”. (Lc 12. 22 – 32).

9) ABASTECER A mente é constituída de tal forma que não permanece vazia por muito tempo. Ela deve ser cheia com algo positivo, caso contrário os pensamentos negativos da preocupação vão voltar. Pratique, então, deliberadamente todos os dias encher sua mente com pensamentos fortes e sadios. Diga em voz alta: “Deus está agora abastecendo a minha mente com coragem, força, paz e segurança”. (Fp 4. 8, 9).

10) PRESENÇA – Uma das melhores técnicas para a vida corajosa é a prática da presença de Deus. Aprenda, a saber, que Deus está com você cada minuto, dia a noite. Use esta afirmação diariamente: “Deus nunca me deixará. Nunca estou sozinho. A sua presença me protege”. (Is 41.10 – 13).

III. COMO TRANSFORMAR O FRACASSO EM SUCESSO

1) FRACASSO Mantenha o pensamento de que nenhum fracasso é permanente, mas trata-se apenas de um revés temporário numa vida bem sucedida. O fracasso é um incidente que pode ser tecido na tapeçaria das realizações criativas. Lembre-se, o fracasso é realmente temporário (I Co 10.13).

2) ERRO - O fracasso pode ser definido como a maneira errada de fazer algo. Portanto, ele tem os seus elementos vantajosos, mostrando-nos como não devemos proceder. Quando você sabe como algo não deve ser feito, está em melhor posição para aprender como deve ser feito. (Sl 25.12; 32.8)

3) APRENDER Embora você possa aprender com seus fracassos, descobrindo como não deve agir, é possível aprender muito mais eficazmente com os seus sucessos, descobrindo o procedimento correto. (Mt 11. 29; Fp 4. 9, 11)

4) NUNCA Nunca aceite o fracasso. Mantenha o contexto do fracasso fora de seus pensamentos, introduza na mente conceitos de sucesso. (I Co 15.57; II Co 2.14).

5) PENSAR – Lembre-se do cartaz que THOMAS A. EDISON tinha na parede de seu escritório: “Há um meio melhor de fazer isso; descubra qual é”. Como descobri-lo? Mediante disciplina motivada peça oração e pensamentos criativos. (Fp 4.19).

6) DILIGENCIA. – Nenhum sucesso pode ser obtido nesta vida sem diligência. Muito trabalho, aplicado diligentemente, é o “Abre-te sésamo” para as realizações bem-sucedidas. A capacidade de fazer tarefas que exigem trabalho e continuar fazendo é essencial para os resultados de sucesso. (Pv 13. 4; 12. 24).

7) ALVO Todas as pessoas bem-sucessidas tem um alvo. Não se trata de um objetivo vago, indefinido, mas de um alvo específico, claramente definido. Ninguém chega a lugar algum a não ser que saiba a aonde quer ir e o que quer ser ou fazer. Tenha um alvo definido, orientado pela oração. (Fp 3.14).

8) CERTO. Certifique-se de que o seu alvo é correto, pois nada errado jamais se tornará certo. O erro resultada em erro. Só o que é reto resultada em retidão, seja então correto. (Fp 4,8).

9) PEDIR. - Para ter a certeza de que está fazendo com sua vida o que deve ser feito, peça direção a Deus. Em última análise, só a vida dirigida por Deus pode alcançar o verdadeiro sucesso. (Mt 7.7, 8).

10) CAMINHO. - O Caminho seguro para o sucesso é o da oração desinteressada. Adote o pensamento de que deseja fazer o máximo de bem neste mundo e alcançar os melhores valores – não só para si mesmo, mas para todas as pessoas – e irá contribuir com sua experiência total na área da motivação bem-sucedida. (I Jo 5. 14, 15).

IV. COMO SOLUCIONAR UM PROBLEMA

1) SEMPRE. A maneira de solucionar um problema é acreditar que para cada problema contém as sementes da sua própria solução. Você vai encontrar a resposta para o seu problema se pesquisar a fundo o problema em si.

2) CALMA. - Uma premissa básica para resolver um problema é manter-se emocionalmente calmo. O nervosismo pode bloquear o poder do fluxo de pensamentos. Portanto, é importante reduzir o estresse e os elementos de tensão, pois a mente só pode operar com eficiência quando as emoções estão sob controle.

3) REUNIR. Ao lidar com o problema, um procedimento adequado é reunir os fatos imparciais, impessoal e legalmente. Tome uma atitude científica em relação aos elementos do problema.

4) PAPEL. - Coloquem no papel todos os componentes do problema, a fim de que possa vê-los com coerência e ordenadamente. Tal procedimento ajudará a esclarecer seus pensamentos, colocando os diferentes fatores do problema em ordem sistemática. Quando puder ver claramente, terá mais condições de pensar com clareza.

5) FORÇAR. Nunca tente forçar a resposta do problema. Mantenha a mente tranqüila e permita que a solução se apresente naturalmente, tornando-se clara. O perigo em forçar uma resposta é que você pode estar impondo aquilo que deseja em vez daquilo que é correto.

6) ORAÇÃO. Ore intensamente sobre o seu problema. Acredite e afirme que mediante a orientação divina você vai receber discernimento e iluminação mental. A compreensão espiritual produz inevitavelmente a melhor solução possível. (Fp 4,6).

7) CONSELHO. – Precisamos com freqüência de ajuda para um problema. É importante então obter conselhos sábios. Aplique aqui o pensamento contido no Salmo 73.24: “Guiar-me-ás com o teu conselho, e depois me receberás em glória”. Esse conselho de alto nível está repleto de sabedoria.

8) INTUIÇÃO. Os processos mentais possuem uma qualidade sutil que pode ser descrita como intuição, ou sentimento e impressão da coisa certa a fazer.

Este procedimento intuitivo é melhor condicionado pela oração e discernimento espiritual quando tenta pensar os pensamentos de Deus sobre o problema.

9) MEDITAR. – Deixar o problema flutuar livremente em seus pensamentos. Não exerça pressão, tensão ou mesmo imponha um prazo. Permita apenas que ele subsista em atividade mental descontraída. A mente irá produzir a resposta quando necessário.

10) CRIATIVO. Confie no poder criativo de sua mente para obter uma resposta adequada, mediante o processo de pensar, orar e afirmar. Deixe que Deus guie você, usando o método do discernimento, a fim de chegar à solução apropriada para o seu problema.

V. A PREOCUPAÇÃO É COMO A CADEIRA DE BALANÇO: MANTÉM VOCÊ OCUPADA, PORÉM NÃO A LEVA A LUGAR NENHUM.

As pessoas que se preocupam constantemente com cada detalhe de sua vida são como a paciente de um hospital de doentes mentais que permanecia com o ouvido encostado na parede.

O que você está fazendo? – perguntou-lhe a enfermeira, com curiosidade.

Silencio! – Cochichou a mulher, acenando para que a enfermeira também encostasse o ouvido na parede.

A enfermeira concordou e permaneceu ali durante alguns instantes, prestando atenção:

Não estou ouvindo nada – ela disse.

Eu também não – replicou a paciente com a testa franzida. É assim o dia inteiro!

Algumas pessoas se preocupam com o que poderia ser dito. Outras, com o que não foi dito. Algumas se preocupam com o que poderia acontecer. Outras, com o que não aconteceu, mas deveria ter acontecido. Há ainda as que se preocupam com o futuro, ao passo que outras se afligem com as conseqüências de seus atos passados.

Fomos criados para ter uma vida abundante, tanto na mente como no corpo e no espírito. Assim como uma flor, fomos criados para florescer, e não para murchar na videira. Deixe que JESUS tome conta de suas preocupações hoje e aproveite as coisas novas da Vida!

Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós. (I Pe 5.7)

Mensagem Extraída e Transcrita do Pequeno Devocional de Deus para Mulheres e do Livreto: - Seis Atitudes Para Um Vencedor. (Dr. Norman Vicent Peale, Psicólogo Americano).

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o Conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei para que não seja sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos”.

Oséias 4.6





SEBEP – Seminário Bíblico Estudando a Palavra

Venha Estudar Conosco!

Tel. 021 – 3361- 2047 ou 3361-4739

Cel. 9197-5515

DISCIPLINA! QUEM PRECISA DISSO?

(Francis Szarejko)


“A autodisciplina tem um papel essencial no nosso crescimento espiritual, na nossa saúde física e no nosso vigor intelectual.”

Você quer melhorar sua vida? Quer superar aqueles velhos hábitos e fraquezas que sempre parecem puxá-lo para baixo? Quer experimentar a satisfação de realizar aquilo que Deus quer que Você realize? Muitos de nós responderíamos com um sonoro sim! Contudo geralmente emperramos quando a situação exige autodisciplina.

Muitos dos problemas individuais e sociais que existem hoje são decorrentes ou sofrem influência da falta de disciplina pessoal. A obesidade e as doenças que a acompanham são, em geral, resultantes de hábitos alimentares desordenados. A licenciosidade sexual pode ser o primeiro passo em direção a um aborto. Os gastos desenfreados e a irresponsabilidade financeira causam problemas na família e contribuem para a deterioração dela.

Muitas vezes falhamos na caminhada de obediência consistente com Deus por falta de autodisciplina. Paulo adverte os filipenses de que a falta dela pode levar-nos à perdição. Diz ele: “Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o que deus deles é o ventre, e a glória deles estão na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas.” (Fp 3.18,19).

Se estivermos vivendo em pecado, precisamos ver como podemos resolver o problema aplicando a autodisciplina, para que não nos tornemos inimigos da cruz de Cristo. Embora a falta da disciplina em si não seja pecado, se devido a ela não estivermos cooperando para o avanço do reino de Deus, precisamos tomar algumas providências para corrigir esse estado de coisas.

O Supremo Propósito da Disciplina

O apóstolo Paulo dá a seguinte orientação: “... exercita-te, pessoalmente, na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveitosos, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser”. (I Tm 4.7, 8).

Aí está implícito que a santidade e a disciplina andam de mãos dadas. Quando esta é praticada adequadamente torna-se uma porta aberta para a santidade. É verdade que por siso a disciplina não nos conforma à imagem de Cristo. Contudo, quando nos submetermos a Deus, ele pode operar em nós por meio dela.

Um erro sério que podemos cometer é apreciar a disciplina como um fim em si mesma ou vê-la como evidência de santidade. Ninguém pode mudar a si mesmo, ainda que se instrua exaustivamente nas coisas espirituais. A vida cristã é resultado de uma parceria entre o homem e Deus. A nossa parte é a prática da disciplina. Exercitando-a, colocamo-nos diante do Senhor para que ele opere em nós as mudanças de atitudes, temperamento e personalidade que se fizeram necessárias. Disciplinando-nos, estamos plantando em nossa vida sementes de crescimento, amadurecimento e santidade. Mas só Deus pode fazê-la frutificar.

O Fruto Imediato

Todavia, já de imediato, a disciplina nos traz alguns proveitos. Leva-nos a atentar as práticas que consideramos importantes e devotar-nos a elas.

Em minha experiência pessoal, vejo isso em relação aos meus escritos. Há dias em que tenho muitas atividades mais simples, e nos quais preciso exercitar muita disciplina para me sentar e escrever. Às vezes o Senhor me concede inspiração e idéias, mas as páginas não se escrevem sozinhas. É então que tenho de disciplinar-me para realizar o que me compete nessa área.

Amigo leitor, o que você considera importante? Que área de sua vida gostaria de melhorar? A forma para conseguir isso é disciplinar-se diariamente.

Ademais a disciplina se torna um instrumento para realizarmos aquilo que Deus quer de nós. Se quisermos, por exemplo, crescer no conhecimento de Deus e aprender a testemunhar do Evangelho com mais eficiência, precisamos orar e estudar a Palavra. Se nos limitarmos a fazê-lo apenas esporadicamente, não obteremos os efeitos desejados. Assim como um pianista precisa treinar várias horas por dia para se tornar um bom concertista, também nós precisamos separar um momento certo para orar e estudar as Escrituras se quiser melhorar nossa compreensão das coisas espirituais e desenvolver as habilidades de que necessitamos.

A disciplina nos ajuda ainda a controlar nossa natureza rebelde e submetê-la ao Espírito Santo. De manhã, minha carne comanda:

“Quero dormir!”

Mas pela disciplina eu digo: “NÃO”. Estou aprendendo a valorizar mais a prática de levantar cedo pra orar e fazer ginásticas do que a de ficar na cama.

Como a autodisciplina contribui para termos mais sucesso em tudo, ela serve também para melhorar nossa autoimagem. Satanás quer que fracassemos e nos consideremos uns fracassos. Persistindo na disciplina, vamo-nos aprimorando e anulamos esse ataque dele.

Por último, da mesma forma como um atleta faz levantamento de peso de acordo com um planejamento bem elaborado para fortalecer a musculatura, assim também pela disciplina nós vamos fortalecendo os aspectos mais fracos de nossa personalidade, tornando-nos capacitados para enfrentar provações e tentações. Há homens, por exemplo, que não passam muito tempo em companhia dos filhos e um dia, em ocasiões críticas, descobrem, apavorados, que eles não o conhecem bem. É a disciplina que nos leva a separar um momento certo para conversar e brincar com eles. Assim formamos um relacionamento sólido que não se abala nem mesmo diante das tempestades desta vida.

Onde Aplicar a Disciplina?

São muitas as áreas em que precisamos aplicar disciplinas. A primeira é nossa vida espiritual. Todos devemos nos exercitar para orar, jejuar, meditar na Palavra e praticar o serviço cristão.

Além disso, precisamos também cultivar bons relacionamentos com outros crentes. Embora desejemos de fato amar uns aos outros por vezes nos irritamos, nos magoamos, ficamos ressentidos com os irmãos em diversos tipos de situação. No livro de Provérbios, há um verso que diz: “Como cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não tem domínio próprio.” (25.28).

Como podemos adquirir domínio próprio em relação às nossas emoções, por exemplo? Uma sugestão seria transformar em hábito a velha fórmula de contarmos de um até dez todas as vezes que alguém nos contrariar. Um método mais eficaz é exercitar-nos a tentar enxergar o ponto de vista do outro em toda situação antes de reagirmos. E há ainda aquele simples conselho de que sempre nos esquecemos:

“Pense antes de falar!”

Ele pode ser um bom recurso para nos disciplinarmos emocionalmente.

Outra área em que, creio os crentes de modo geral precisa disciplinar-se é a da saúde física. Muitos lutam com o problema da obesidade. Outros, embora não estejam com excesso de peso, não cuidam devidamente da saúde. Não praticam exercícios físicos, e ficam fracos. Será que Deus não se interessa por essas questões? A Bíblia revela que nosso corpo é o templo do Espírito Santo. Será que o templo de Deus não deveria ser belo e bem cuidado? Pensando nisso, parece-me que precisamos exercitar disciplinas como a de praticar exercícios físicos, controlar nossa dieta, procurar eliminar alimentos prejudiciais ao organismo, etc.

Por último, precisamos aplicar disciplina também ao nosso desenvolvimento intelectual. Nossa capacidade mental é um dos mais extraordinários aspectos da criação. Deus quer que desenvolvamos nosso intelecto. Quer que renovamos nossa forma de pensar através da sua Palavra, e que usemos a mente para a glória dele. Nesse sentido, precisamos disciplinar-nos para exercitá-la mais. Obviamente nossa prioridade máxima deve ser estudar as Escrituras. Contudo todos nós podemos procurar aprimorar nosso conhecimento na área profissional ou inteirar-nos de outros fatores que favorecerão nosso crescimento nela. Ainda outro terreno que precisamos estudar é o da política e dos eventos mundiais.

Um Programa de Disciplina Pessoal

Poderíamos desenvolver um complicado sistema de regras e regulamentos para nossa vida em nome da autodisciplina. Mas isso só nos condenaria ao fracasso. Como os fariseus, estaríamos logo coando mosquito e engolindo camelos. Uma disciplina efetiva requer uma aplicação específica. Precisamos determinar, em oração, em que aspectos de nossa vida precisaram de disciplina e em seguida fazer um planejamento pessoal de acordo com as necessidades que identificamos. Esse tipo de programa envolve quatro passos básicos:

1) Estabelecer alvos pessoais. Precisamos definir o que queremos realizar na vida. Isso feito vai descobrir como estaremos em relação a essas metas e identificar aquilo que precisamos mudar para atingi-las

2) Uma vez estabelecidos os alvos, vamos determinar o que precisamos fazer para atingi-los. Será preciso elaborar um plano de estudo, oração, ou ação, uma combinação dessas três ferramentas! Essa determinação deve ser feita para cada alvo.

3) Com os alvos definidos e um entendimento do que precisamos fazer para atingi-los, podemos começar a desenvolver um programa de autodisciplina, que é como, quando, e onde vamos colocar essa disciplina em prática. A flexibilidade aí é muito importante.

Lembremos de que o alvo supremo não é realizar uma tarefa disciplinar, mas crescer. Não tenhamos medo de fazer modificações ou descartar-nos daquilo que não estiver certo.

4) O último passo antes de começar a pôr em prática qualquer programa de disciplina é, em oração, planejar o uso do tempo. A Bíblia nos admoesta: “Portanto, vede prudentemente como andais. Não como néscios, e sim, como sábios, remindo o tempo porque os dias são maus”. (Ef 5.15,16). Precisamos avaliar o uso que estamos fazendo do nosso tempo agora. Vejamos o que podemos eliminar o que gostaríamos de acrescentar, o que deve continuar. Calculemos quanto tempo levaremos para alcançar cada alvo estabelecido – um mês, um ano? Por fim, temos de organizar nossos alvos em ordem de prioridade e o horário para trabalhar neles.

Identificar a necessidade da disciplina e exercitá-la é uma tarefa contínua. A prática da autodisciplina, dirigida pelo Espírito Santo, é um aspecto permanente e ininterrupto da Vida Cristã. Ao praticarmos certas disciplinas elas se tornam bons hábitos. À medida que o Senhor vai-nos aperfeiçoando, identificamos outras áreas da nossa vida, que se acham necessárias de disciplina. Ocorrendo isso, novamente precisamos disciplinar a nós mesmos. A disciplina é um meio de crescimento. Precisamos permanecer firmes nela se quisermos amadurecer no Senhor e vir a ser como Ele quer que sejamos.

Extraído de New Covenant

Elaborada pela professora,

Maria Valda