BEM VINDO A TODOS!

domingo, 10 de fevereiro de 2013

"OS PSICOPATAS DO EVANGELHO"




 





Os psicopatas são falantes charmosos, simpáticos, sedutores, capazes de impressionar e cativar rapidamente qualquer pessoa. Sua capacidade de parecer bonzinho, educado e inofensivo “é impecável”. É a pessoa perfeita, aquela que você menos desconfia de Ser um psicopata.

Tudo isso é uma fachada, como um teatro muito bem engendrado para esconder suas características perturbadoras: a incapacidade de se adaptar às normas sociais com respeito a comportamento dentro da lei ou da ética social.

Não existe defesa totalmente segura contra eles. O psicopata não é exatamente um doente mental, mas sim uma pessoa que se encontra na divisa entre a sanidade e a loucura.

Os sociopatas exibem egocentrismo e um narcisismo patológico, baixa tolerância para a frustração e facilidade de comportamento agressivo, falta de empatia para com outros seres humanos. Geralmente eles são cínicos, incapazes de manter uma relação e de amar. Eles mentem sem qualquer vergonha, roubam, abusam, trapaceiam, negligenciam suas famílias e parentes.

Olhe o que um especialista diz a respeito dos psicopatas:

Dr. Robert Hare “… é um enorme sofrimento social, econômico e pessoal causado por algumas pessoas cujas atitudes e comportamento resultam menos das forces sociais do que de um senso inerente de autoridade e uma incapacidade para conexão emocional do que o resto da humanidade. Para estes indivíduos – os psicopatas – as regras sociais não são uma força limitante… eles andam pela sociedade como predadores sociais, rachando famílias, se aproveitando de pessoas vulneráveis e deixando carteiras vazias por onde passam… é como o gato, que não pensa no que o rato sente - se o rato tem família, se vai sofrer. Ele só pensa em comida. Gatos e ratos nunca vão se entender. A vantagem do rato sobre as vítimas do psicopata é que ele sempre sabe quem é o gato…”.



Em 1941, Dr. Hervey M. Cleckley escreveu um livro chamado “A máscara da saúde”, o qual se referia a este tipo de pessoas. Em 1964 descreveu as características mais frequentes do que hoje chamamos psicopatas.

Em 1968, Stephen B. Karpmam disse ”dentro dos psicopatas há dois grandes grupos; os predadores e os parasitas” (fazendo uma analogia biológica).

Os predadores: são aqueles que tomam as coisas pela força.
Os parasitas: tomam-nas através da astúcia e do engodo.

Cleckley, estabeleceu, em “A máscara da saúde”, alguns critérios para o diagnóstico do psicopata, em 1976, Dr. Robert D.Hare, Dr. Stephen D.Hart e Dr. Timothy J. Harpur completaram esses critérios.

Somando-se as duas listas podem relacionar as seguintes características:

1 – Problemas de conduta na infância.
2 – Inexistência de alucinações e delírio.
3 – Ausência de manifestações neuróticas.
4 – Impulsividade e ausência de autocontrole.
5 – Irresponsabilidade
6 – Encanto superficial, notável inteligência e loquacidade.
7 – Egocentrismo patológico, autovalorização e arrogância.
8 – Incapacidade de amar.
9 – Grande pobreza de reações afetivas básicas.
10 – Vida sexual impessoal, trivial e pouco integrada.
11 – Falta de sentimentos de culpa e de vergonha.
12 – Indigno de confiança, falta de empatia nas relações pessoais.
13 – Manipulação do outro com recursos enganosos.
14 – Mentiras e insinceridade.
15 – Perda específica da intuição.
16 – Incapacidade para seguir qualquer plano de vida.
17 – Conduta antissocial sem aparente arrependimento.
18 – Ameaças de suicídio raramente cumprido.
19 - Faltam de capacidade para aprender com a experiência vivida




 




Segundo a REVISTA SUPERINTERESSANTE (Julho -2006. p. 48), estas são as principais características de um psicopata:

1 – Charme: Tem facilidade em lidar com as palavras e convencer pessoas vulneráveis. Por isso, torna-se líder com frequência. Seja na política, no trabalho ou na cadeia.

2 – Inteligência: O Q.I. costuma ser maior que o da média: alguns conseguem passar por médico ou advogado sem nunca ter acabado o Colegial.

3 – Ausência de culpa: Não se arrepende nem tem dor na consciência. É mestre em botar a culpa nos outros por qualquer coisa. Tem certeza que nunca erra.

4 – Espírito sonhador: Vive com a cabeça nas nuvens. Mesmo se a situação do sujeito é miserável, ele só fala sobre as glórias que o futuro lhe reserva.

5 – Habilidade para mentir: Não vê diferença entre sinceridade e falsidade. É capaz de contar qualquer lorota como se fosse a verdade mais cristalina.

6 – Egoísmo: Faz suas próprias leis. Não entende o que significa “em comum”. Se estiver tudo bem para ele, não interessa como está o resto do mundo.

7 – Frieza: Não reage verdadeiramente ao ver alguém chorando ou sofrendo.

8 – Parasitismo: Quando consegue a amizade de alguém, suga até a medula.








Os Psicopatas da fé: Agem de forma sorrateira, a enganar as pessoas. Chegam de mansinho, no inicio são uns amores de pessoas, atenciosos, olhares sérios, mas mal sabem as pessoas que os olhares sérios são para olharem melhor e se prepararem para suas próximas investidas.

Sempre vestidos de ovelhas, com mansidão, mas a mente cheia de coisas ruins e destruição. A fala é mansa e polida, mas a intenção cruel e nociva. A roupa é de marca e alinhada, mas alma é doente e esfarrapada. Usam relógios bonitos e atraentes, mas a língua são espadas entre os dentes.

PSICOPATA: Mente cruel em rosto agradável

Charmosos e simpáticos; mentirosos e manipuladores. Os psicopatas não se importam de passar por cima de tudo e de todos para alcançar seus objetivos. Egocêntricos e narcisistas, eles não sentem remorso, muito menos culpa. Se algo ou alguém ameaça seus planos, tornam-se agressivos.

São inteligentes, mas insensíveis, frios manipuladores e sua capacidade de fingir sentimentos são perfeita. Se descobertos, são mestres em inverter o jogo, colocando-se no papel de vítimas ou tentar convencer de que foram mal interpretados. E estão conscientes de seus atos.

E estão sempre conscientes de todos os seus atos, pois, diferentemente do que ocorre em outras doenças mentais, os psicopatas não entram em delírio. A psicopatia atinge cerca de 4% da população (3% de homens e 1% de mulheres), segundo a classificação americana de transtornos mentais. Sendo assim, um em cada 25 brasileiros enquadra-se nesse perfil.

Mas isso não significa, é claro, que todos são bandidos em potencial.

E quero informar que esse número também atinge LideresPastoresBisposCantores,  Músicos  etc.

Olhando para nossos dias, é comum ver nos noticiários fatos que envolvem líderes evangélicos ou mesmos membros de comunidades evangélicas:

1 – A Polícia Civil de Goiás indiciou o pastor T.B.S., 56, sob a acusação de abusar sexualmente de fiéis da igreja que fundou há dois anos, a Grupo Evangélico Luz para o Mundo.
2 – Falso pastor que estuprou mais de 40 se entrega.
3 – Polícia de Goiás investiga pastor que promete cura sexual.
4 – Pastor evangélico é preso acusado de abusar sexualmente de quatro menores.
5 – Pastor rouba igreja para comprar filme pornô.
6 – Pastor é preso em flagrante após roubar carro em Aracaju.

Poderia citar aqui muitas outras reportagens que mostram as atitudes de um PSICOPATA DA FÉ. Esse alerta aqui é para mostrar que corremos o risco de nos depararmos com esses tais dentro de nossas igrejas.

Você, antes de consagrar um obreiro procurou saber mais sobre ele?









Em muitos casos, a omissão de muitos líderes tem levado a destruição de muitas famílias, pois consagram pessoas que foram reprovadas por Deus. Levando assim, essas pessoas a continuarem a sua caminhada de destruição.
Como explicar um sujeito, que se diz pastor, e é pego abusando e matando uma criança de 12 anos?



 




Como explicar um sujeito que fala que é obreiro da cada de Deus, pego abusando das próprias filhas?

Uma coisa é certa.

O final dos tempos está chegando, e precisamos ficar atentos, pois muitos outros psicopatas da fé vão aparecer por ai, com olhar de boas intenções, mas um coração de rapina, esperando a próxima vítima aparecer.








CUIDADO: A próxima vítima posso ser eu ou você.

Fontes:
Robert Hare: Without Conscience

QUE TIPO DE VASO VOCÊ É?




TERRACOTA? GRÉS? OU PORCELANA?







VAI DEPENDER DO GRAU DE FOGO QUE VOCÊ AGUENTAR!




Jeremias 18.


A arte da cerâmica manifesta-se na cultura dos povos desde a mais remota Antiguidade. O estudo das técnicas de fabricação e decoração dos objetos de cerâmica é tido como o "alfabeto" de arqueólogos e historiadores, pois fornece base segura para a reconstrução de muitos aspectos da vida de antigas civilizações.


A cerâmica consiste na fabricação de objetos, tanto utilitários quanto artísticos, modelados em uma pasta composta de argila e de materiais purificadores. A argila é um material plástico, facilmente moldável, que se solidifica sob a ação do calor. Sua composição, que varia de acordo com os locais de onde seja extraída, apresenta certos elementos minerais que determinam a cor, a porosidade e dureza da peça, bem como a temperatura a que pode ser submetida sem que sofra deformações.


Os objetos de cerâmica podem ser lustrados ou esmaltados e dividem-se em três grupos diferentes de produtos - terracota, grés e porcelana -, segundo o grau de cozimento e a composição química do material utilizado.








Tipos e Técnicas


Dentro de cada grupo, e de acordo com a variação da temperatura, obtém-se uma série de produtos diferenciáveis em consistência e aparência. À temperatura de 800º a 1.100º C produz-se uma peça em geral avermelhada, porosa, dura ao tato. É a terracota, cerâmica que parece ter substituído à primitiva, simplesmente cozida ao sol. A variação de temperatura entre 1.100º e 1.300º C dá como resultado matéria mais densa e sem porosidade, dura, lisa e elástica. De 1.300º a 1.500º C obtém-se matéria ainda mais dura, e mais lisa, que pouco a pouco se torna vítrea, até se transformar em porcelana, que é sempre translúcida. O grés é, em última análise, uma porcelana não translúcida.











As porcelanas podem ser tenras ou duras. Macias são as porcelanas artísticas, cozidas entre 1.200º e 1.350º C; duras, as utilizadas para fins científicos, que requerem temperaturas entre 1.350º e 1.500º C. Certos historiadores designam como cerâmica de pequeno fogo a terracota; e de grande fogo, a porcelana.




 




As cerâmicas podem apresentar uma superfície vítrea, capaz de receber decoração. Obtém-se tal aspecto vítreo pelo emprego de silicatos compostos, que se liquefazem entre 600º e 1.500º C, aderindo fortemente ao material subjacente. A temperatura em que se dá a liquefação não pode ser superior à que foi necessária para o cozimento da peça, sob pena de vir esta a se arruinar. Quanto ao aspecto e à qualidade da camada vítrea, dependerão do gosto e da técnica utilizada: seu colorido resulta do emprego de tal ou qual óxido metálico.



 





Não raro, a aplicação dessa camada vítrea segue-se a um cozimento apenas provisório. O procedimento mais simples de decoração é aquele em que a peça recebe uma só camada vítrea, sob ou sobre a qual se acrescenta a decoração, pintada ou modelada. Quando a decoração é aplicada sob a camada vítrea, as cores utilizadas endurecerão sob a ação do calor. Quando, pelo contrário, são empregados sobre a camada, os procedimentos comuns é o esmalte, que os chineses levaram à perfeição. Quanto à maiólica, lança mão de motivos decorativos aplicados por pincel sobre uma camada vítrea à base de óxido de estanho.


Quando os produtos se resfriam, uma tensão se estabelece entre a cerâmica propriamente dita e a camada vítrea, produzindo-se às vezes rachaduras nessa camada. Tais rachaduras podem ser evitadas, mas se convenientemente realizadas constituem um dos maiores encantos da arte da cerâmica.




 




Os achados mais antigos provêm de jazidas neolíticas na Anatólia, Palestina, Mesopotâmia e Tessália. Por volta de 6000 a.C., começou-se a fabricar, no Oriente e na Europa, vasos de talhe grosseiro, feitos à mão e sem elementos decorativos. Na última fase do neolítico, quando na maioria das sociedades ocorreram rápidos progressos técnicos que prenunciavam uma vida urbana mais complexa, chegou-se a elaborar cerâmica de qualidade excepcional. Exemplo clássico são os produtos de Badari (por volta de 3700 a.C.), no Egito, de perfis afinados e bem polidos, que obedecem a uma técnica nunca mais igualada no vale do Nilo.




 



China

A cerâmica chinesa foi a que mais cedo adquiriu autonomia expressiva e a que mais influenciou a ocidental. A existência de argilas naturais de grés e caulim, e o aperfeiçoamento de fornos para cocção a alta temperatura, possibilitaram a fabricação de grés e porcelanas muitos séculos antes da Europa, onde a cerâmica chinesa seria grandemente apreciada e imitada.

Fonte: http://www.netceramics.com/