BEM VINDO A TODOS!

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

LIÇÃO: 9 A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO CRISTÃO

ADMEP - ASSEMBLEIA DE DEUS MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA



ALUNA: JULLYNE SILVA
DATA: 01/ 09 / 2013
  
 “Responsabilidade Social” significa produzir bem-estar e serviços que irão transformar para melhor a sociedade e o mundo em que vivemos. A Bíblia está repleta de exemplos que apontam para a questão social. O Antigo Testamento trata e em muito disso. A lei de Moisés criava condições para que houvesse maior justiça e menos desigualdade na sociedade de Israel. Um exemplo era o ano do jubileu, quando as famílias da sociedade judaica tinham direito a rever sua possessão. (Lev. 25:8-34); a questão da viúva, do pobre necessitado, do órfão, e demais pessoas em situação de desamparo, foram temas abordados no Antigo Testamento. Jesus também deu exemplos de Responsabilidade Social, Ele retoma o assunto da lei de Moisés quando a sociedade judaica olhava para o próprio umbigo esquecendo da caridade e do favor ao próximo. Ele deu exemplo falando da parábola do bom Samaritano (Lc. 10.37-46), e do sermão da montanha. Por várias vezes tratou da questão social como sendo uma das prerrogativas do evangelho do reino, quando todos pensavam que se justificavam porque davam esmolas oravam e jejuavam. Sem falar na questão do relacionamento, pois o filho de Deus não fazia acepção de pessoas. Ele entrou na casa de Jairo um príncipe da sinagoga, mas também socorreu a uma prostituta, tocou em leprosos, atitudes condenadas pela sociedade judaica.


A Igreja deve praticar Responsabilidade Social. A fé em Cristo nos leva necessariamente à ação em favor do próximo. Quem entre nós não conhece alguém que está passando por uma situação difícil, pessoas ao nosso redor com inúmeros problemas que clamam por uma solução? Eu te pergunto: você tem responsabilidade sobre este alguém? De quem você espera uma solução? Unicamente dos órgãos governamentais, da igreja enquanto instituição? Não! Todo aquele que se diz discípulo de Jesus Cristo, e que é parte integrante da igreja do Senhor; individualmente, é responsável. Um cristão que é indiferente à injustiça e corre da responsabilidade em questões sociais, preocupando-se unicamente com o seu próprio bem-estar, não está servindo ao seu Senhor de forma plena. Um dia ele nos dirá: “Vinde benditos de meu Pai... Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me, estive na prisão, e fostes ver-me. Então lhe perguntaremos: Quando lhes fizemos tais coisas? Ele nos responderá: quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. (Mt. 25. 31-46).

Trabalho da Aluna: ALUNA: JULLYNE SILVA

A POMBA, A OLIVEIRA E A REDENÇÃO.





"E a pomba voltou a ele a tarde: e eis arrancada uma folha de oliveira no seu bico; e conheceu Noé que as águas tinham minguado sobre a terra" Gn 8:11.

Há muitos séculos a oliveira é utilizada como símbolo da paz, imperadores romanos já se valiam da planta para divulgarem um reino: Próspero, pacífico e abundante.

Atenas tem a oliveira como árvore protetora da cidade, tudo porque uma lenda conta que na disputa de "deuses" para dar nome à cidade, a "deusa" Atenas, presenteou-a com oliveiras e seu produto nobre; o azeite. Não tendo ninguém conseguido superar o seu feito, a cidade ficou sendo chamada Atenas.

Também foi em Atenas que surgiu a tradição de presentear atletas vencedores com coroas de oliveiras. Os ramos de oliveiras eram recolhidos com facas de ouro. Não existiam as medalhas olímpicas, sendo as coroas o prêmio máximo concedido aos ganhadores.




Até hoje, essa tradição permanece e em qualquer nação ou modalidade desportiva, atletas recebem coroas de oliveiras como prêmio.

Enfim, a oliveira e seu produto, o azeite, considerado "fonte de ouro" pelos extrativistas, sempre estiveram ligados a paz e vitórias.


A POMBA COMO SÍMBOLO DA PAZ



A primeira vez que a pomba e a oliveira aparecem juntas é no livro de Gênesis, um símbolo que tem sido utilizado secularmente para representar a paz universal.

O partido socialista soviético utilizou-o como campanha de convocação a "paz universal". A pedido de Stalin, o grande pintor Picasso, reproduziu a pomba com o ramo de oliveira. A imagem, reproduzida pelo artista, percorreu o mundo.


A POMBA, A OLIVEIRA E A REDENÇÃO



 


A pomba, em Gênesis simboliza o Espírito Santo, tal qual no Evangelho de João 1:32, quando ela desce sobre Jesus, na ocasião de seu batismo. O ramo de Oliveira, simboliza a própria Oliveira que É Cristo Jesus. A aparição da pomba com o ramo de Oliveira no bico significa a Redenção da humanidade através de Cristo Jesus. Deus, não mais destruiria os homens desobedientes, mas, lhes daria uma oportunidade de recomeçarem uma nova vida. A pomba e a Oliveira seriam vitais nesse renascimento.

O simbolismo secular, as invenções humanas, os clamores pela paz, as vitórias conquistadas coroadas de glória, os prósperos impérios, as ricas cidades, nada disso é válido se não estiver ligado a Verdadeira Oliveira. Tudo passa, apenas permanece o Eterno Reino da Justiça. É através D'Ele que se conhece a Verdadeira Paz. 

Aquele que recebe a Oliveira, trazida pelo Espírito Santo não mais seria destruído:
"Porque a lei do Espírito de vida em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte" Rm 8:2.

Fontes:
www.azeite.com
www.aliberdadedeescrita.com.br
Bíblia sagrada, Almeida J.F, SBTB.

A LIÇÃO DA TAMARGUEIRA NO DESERTO



 



“Fugi, salvai a vossa vida; sede como a tamargueira no deserto” Jr 48: 6. O juízo de Deus estava sendo apregoado sob várias cidades que seriam desoladas, transformadas em lugar deserto. Por causa da maldade do povo, da dureza do coração e da incredulidade. O versículo prossegue: “Fugi... por causa da confiança nas tuas obras, e nos teus tesouros, também tu serás tomada” Jr 48: 7.


Sobre a Tamargueira




A tamargueira é uma planta de crescimento lento, madeira macia que se desenvolve como arbusto ou árvore de pequeno porte em solos onde há água perto da superfície.  A árvore é cheia de sulcos das regiões desérticas, com folhas muito pequenas em forma de escamas. O botânico alemão G. Ehrenberg afirma que o maná não era outra coisa senão uma secreção das árvores e arbustos da Tamargueira (espécie Tamarix Mannifera). Segundo ele, quando as árvores nativas são picadas pelo cochonilha, um inseto encontrado no Sinai, elas produzem uma secreção resinosa especial, que seria o maná bíblico. Ainda hoje esta resina, de gosto insípido, é encontrada em abundância na península do Sinai, deserto da Arábia e proximidades do Mar morto.

Em muitas áreas onde os cursos de água são pequenos ou intermitentes, ela domina a região, sendo capaz de limitar severamente a água disponível, ou até secar uma fonte de água. A tamargueira produz um tipo de tâmara, recebe  a luz solar e a transforma em massa. Quanto mais sol ela recebe, mais abre os seus pendões. Ela abre os pendões e cresce ereta (para o alto). Outra árvore qualquer morre no deserto, mas a tamargueira não, ela vive e produz suas tâmaras. É altamente resistente, ao ser queimada, não leva muito tempo para que surjam novos brotos.


Um Exército de Tamargueiras





A tribulação prestes a acontecer e aquele povo não estava preparado para o combate, de outra forma, o profeta Jeremias teria orientado a enfrentar o exército inimigo. Essa ordem de enfrentamento aconteceu em muitos combates protagonizados por Israel. Deus, escolhia os lideres e os capacitava para estarem à frente das batalhas. Foi assim com Moisés, Josué e Davi que sobrenaturalmente venceram gigantes. Pela fé, confiança em seu Deus.

O conselho foi: “Fugi, salvai a vossa vida; sede como a tamargueira no deserto” Jr 48: 6


Vencer na adversidade. Aprender a confiar em Deus e perceber que o socorro do homem e dos bens materiais era vão. Ser tamargueira implicaria em situação de isolamento, reflexão, separação: do pecado, costumes e mentalidade predominante. Um exército de tamargueiras no deserto era o que pedia o coração de Deus através do profeta Jeremias. Uma nação, voltada para o socorro do alto, a Fonte de força e vitória.

Quem passa por uma tamargueira no deserto, pode estender suas mãos e pegar de seus frutos, alimentar-se deles durante o percurso de viajante no deserto. Tamargueiras dão sombra e alimento em meio à aridez e escassez. O segredo é que elas captam água a longas distâncias e ao absorverem a luz do sol, transformam seus pequenos frutos. Homens tamargueiras não cessam seus frutos em tempos de adversidade e transformam situações de derrota em alimento para si e para os viajantes.  As tamargueiras são prodígios de Deus porque apenas Ele é capaz de fazer com que uma planta sobreviva em clima tão quente como o deserto. Mas Ele dá as condições para isso.

Homens tamargueiras não devem colocar a fé no seu semelhante, mas confiam inteiramente em Deus, Ele sustenta de forma prodigiosa diante de toda e qualquer batalha.

“Fugi, salvai a vossa vida; sede como a tamargueira no deserto” Jr 48:6


Fugir Para Avançar Tempos Mais Tarde 





A fuga aqui não indica medo, covardia, mas crescimento. A tamargueira no deserto me ensina que às vezes é necessário retroceder para vencer. O apóstolo Paulo, certa feita, se fingiu de morto na cidade de Icônio. “Apedrejaram a Paulo e o arrastaram para fora da cidade, cuidando que estava morto” At. 14: 19. Foi uma situação de fuga, ele não se viu em condições de enfrentar os inimigos, se tivesse ido por esse caminho, teria morrido verdadeiramente.


A tamargueira me diz que tenho que recuar algumas vezes para avançar tempos mais tarde. É necessário fortalecer-se no deserto, para poder enfrentar os exércitos. Olhando para a Bíblia, vemos que todos os que prosperaram na caminhada com Deus tiveram seu tempo de “fuga”. Moisés fugiu do Egito para abrigar-se em Mídia, lá foi moldado até se tornar “o homem mais manso da terra”,  capaz, preparado para ser líder. Nm 12:3.

Sou Tamargueira





Tempo no deserto é tempo de crescimento. De buscar água na fonte com toda a força da raiz. É tempo  de viver do maná que é a Palavra de Deus e desse mesmo maná alimentar outros. Tamargueira é refúgio, mas ela é sustentada por um Refúgio maior. Assim somos nós. Não nos desesperemos quando os inimigos se voltarem contra nós, mas fujamos para perto de Deus. Nossa vida não está firmada na força humana, mas na força e providência de Deus. A tamargueira tem alta capacidade de regeneração. Deus tem anseio por transformar situações, regenerar e nos garantir vitória: “Meus pensamentos sobre vós é de paz, para vos dar o bem que precisais” Jr 29: 11. Que em tempos de desolação, sejamos nós como a tamargueira no deserto.

Em Cristo