BEM VINDO A TODOS!

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

TEMPERATURA NO CENTRO DA TERRA CHEGA A 6.000 GRAUS CELSIUS


Estimativa Supera em Mil Graus Cálculos de Experimentos Anteriores

Terra
Os pesquisadores já sabiam que a Terra era dividida em quatro camadas: crosta, manto, núcleo líquido e núcleo sólido. Agora, eles conseguiram estimar a temperatura de cada uma delas (Thinkstock)
Pesquisadores conseguiram determinar que a temperatura da Terra perto de seu centro é de 6.000 graus Celsius, mil graus mais quente do que experimentos anteriores haviam mostrado. Esses cálculos também confirmam modelos geofísicos que previam que, para explicar a formação do campo magnético terrestre, a diferença entre a temperatura do núcleo e do manto terrestre deveria ser de 1.500 graus. O resultado foi publicado nesta quinta-feira na revistaScience.
CONHEÇA A PESQUISA





Onde foi divulgada: periódico Science



Quem fez: S. Anzellini, A. Dewaele, M. Mezouar, P. Loubeyre, G. Morard



Instituição: Comissão Francesa de Energia Atômica e Energias Alternativas



Dados de amostragem: Amostras de ferro, submetidas a diferentes valores de temperatura e pressão



Resultado: Os pesquisadores descobriram que, se submetido à pressão de 2,2 milhões de atmosferas, o ponto de fusão do ferro é de 4.8000 graus Celcius. Cálculos matemáticos mostraram que a temperatura do núcleo sólido do planeta, onde a pressão é de 3,3 milhões de atmosferas, pode chegar  6.000 graus.
O núcleo da Terra é formado, em sua maior parte, por uma esfera de ferro líquido com temperaturas superiores a 4.000 graus Celsius e pressão equivalente à de 1,3 milhão de atmosferas. Sob essas condições, o ferro se torna tão líquido quanto a água dos oceanos. É apenas no centro dessa esfera, onde as temperaturas e pressão são ainda maiores, que o ferro volta a se solidificar.
Os pesquisadores conhecem a maior parte dessas características a partir da análise do movimento das ondas sísmicas — causadas por terremotos — entre essas camadas. Essas ondas, no entanto, não são capazes de mostrar a temperatura nessas regiões, o que deixa de fora informações importantes para os cientistas compreenderem os movimentos dos materiais que compõem o centro da Terra. Por exemplo, a diferença entre as temperaturas do núcleo e do manto é um dos fatores responsáveis, junto com a rotação do planeta, por gerar o campo magnético da Terra.
Para descobrir a temperatura dessas camadas, os cientistas analisaram a temperatura de fusão do ferro em diferentes pressões, usando equipamentos feitos de diamante para comprimir pequenas partículas de ferro a pressões que são milhões de vezes superiores à exercida pela atmosfera. Nessas condições, os pesquisadores dispararam poderosos raios laser nas amostras, que são capazes de esquentar o material a até quase 5.000 graus Celsius. “Na prática, tivemos de superar muitos desafios experimentais, uma vez que as amostras precisam ser termicamente isoladas e não podem interagir quimicamente com o ambiente. Além disso, mesmo que uma amostra alcance temperatura e pressão extremas como as do centro da Terra, isso só vai acontecer por alguns segundos — período muito curto para determinar se o material começou a derreter ou continua sólido”, Agnès Dewaele, pesquisadora da Comissão Francesa de Energia Atômica e Energias Alternativas, responsável pela pesquisa.
ESRF
Temperatura
A fim de superar esse problema, os pesquisadores utilizaram raios-X como ferramenta para analisar as amostras de ferro. “Nós desenvolvemos uma nova técnica onde raios-X intensos podem atingir uma amostra e deduzir se ela está sólida, liquida ou parcialmente derretida, em períodos curtos de tempo, de até um segundo. Isso é rápido o suficiente para que a temperatura e pressão das amostras sejam mantidas constantes”, disse Mohamed Mezouar, pesquisador do Laboratório Europeu de Radiação Síncrotron, um dos autores do estudo.
Assim, eles conseguiram determinar experimentalmente que o ponto de fusão do ferro é de 4.800 graus a uma pressão de 2,2 milhões de atmosferas — os limites do equipamento. Utilizando modelos matemáticos, os pesquisadores calcularam o mesmo ponto de fusão para uma pressão de 3,3 milhões de atmosferas, equivalente à sentida na fronteira entre o núcleo sólido e o liquido. O resultado foi 6.000 graus Celsius.
Os pesquisadores também descobriram por que as pesquisas anteriores haviam calculado essa temperatura de forma errada. Segundo os cientistas, a partir dos 2.400 graus, um processo químico conhecido como recristalização acontece na superfície do ferro, levando a mudanças em sua estrutura. A pesquisa anterior havia usado técnicas ópticas para determinar se as amostras estavam sólidas ou líquidas, e é possível que os pesquisadores tenham interpretado a recristalização na superfície da amostra como um sinal de seu derretimento.

Saiba mais

CROSTA
Parte mais externa do planeta, pode medir até 60 quilômetros

MANTO
Camada densa feita de rochas quentes e semissólidas. Mede quase 3.000 quilômetros

NÚCLEO EXTERNO
Camada líquida do núcleo, é composta principalmente de ferro e níquel

NÚCLEO INTERNO
Centro extremamente quente e sólido, formado por ferro e níquel

RESPONSABILIDADE SOCIAL





ASSEMBLÉIA DE DEUS
MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA

ORIENTADORA-PASTORA MARIA VALDA

ALUNA – DULCINETE ARAUJO




RESPONSABILIDADE SOCIAL


Existem diversos fatores que originaram o conceito de responsabilidade social, em um contexto da globalização e das mudanças nas indústrias, surgiram novas preocupações e expectativas dos cidadãos, dos consumidores, das autoridades públicas e dos investidores em relação as organizações. Os indivíduos e as instituições, como consumidores e investidores, começaram a condenar os danos causados ao ambiente pelas atividades econômicas e também a pressionar as empresas para a observância de requisitos ambientais e exigindo a entidades reguladoras, legislativas e governamentais a produção de quadros legais apropriados e a vigilância da sua aplicação.


Os livros do Antigo Testamento da Bíblia Sagrada possuem várias narrativas e preceitos que convergem para o contexto de responsabilidade social.


A Lei de Moisés possui indicadores que iam além do conhecimento das necessidades imediatas, construindo condições para que tivessem uma maior justiça e menor desigualdade entre a sociedade de Israel. Quando também segares a messe da tua terra, o canto do teu campo não segará totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua messe. Não rebuscarás a tua vinha, nem colherás os bagos caídos da tua vinha; deixá-los-ás ao pobre e ao estrangeiro [...] (Levítico 19, 9-10)


Não oprimirás o jornaleiro pobre e necessitado, seja ele teu irmão ou estrangeiro que está na tua terra e na tua cidade. No seu dia, lhe darás o seu salário, antes do pôr-do-sol, porquanto é pobre, e disso depende sua vida [...] (Deuteronômio 24, 14-15)


Se o estrangeiro peregrinar na vossa terra, não o oprimireis. Como o natural, será entre vós o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-eis como a vós mesmos, pois estrangeiros fostes na terra do Egito [...] (Levítico 19, 33-34)

Cristo e os apóstolos mantiveram implicitamente a mensagem social do Antigo Testamento. A ética de Jesus preserva e torna mais exigentes os requisitos da Lei, revelando a sua intenção mais profunda (Mt 5.17,20). A prática do bem deve estender-se também aos que não pertencem à família de Deus (Mt 5.43-45; 6.1-4). Essas passagens mostram que as motivações dos discípulos de Cristo devem ser a imitação de Deus e a reverência para com ele. Outra motivação fundamental é o amor altruísta expresso no serviço desinteressado e até mesmo sacrificial, conforme exemplificado pelo próprio Cristo (Mc 10.45; Jo 13.12-15).


Cristo proferiu muitos ensinos sobre a prática da justiça e da misericórdia (Mt 5.6-7; 19.21; 23.23), especialmente através de suas parábolas (Mt 25.34-40). Acima de tudo, ele exerceu misericórdia, socorrendo continuamente os sofredores (Mt 4.23; 9.2,6,36; 12.9-13; 14.14,19; 15.30).


O apóstolo Paulo e a igreja primitiva cuidavam dos necessitados. Paulo e Barnabé levaram a Jerusalém uma oferta aos irmãos carentes da Judéia (At 11.28-30). Quando o concílio reuniu-se em Jerusalém, os anciãos sugeriram que se lembrassem dos pobres (GI 2.10). Um dos alvos de sua terceira viagem missionária foi coletar dinheiro "para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém" (Rm 15.26). Ensinava as igrejas na Galácia e em Corinto a contribuir para esta causa (1 Co 16.1-4). Como a igreja em Corinto não contribuísse conforme se esperava, o apóstolo exortou demoradamente aos seus membros a respeito da ajuda aos pobres e necessitados (2 Co 8.9). Elogiou as igrejas na Macedônia por lhe terem rogado urgentemente que lhes deixasse participar da coleta (2 Co 8.1-4; 9.2). Paulo orienta que devemos trabalhar para atender a outros (Ef 4.28; Tt 3.14)


A Bíblia diz que não devemos negligenciar a ação social (Hb 13.16).

As ações de Cornélio foram registradas diante de Deus (At 10.4).
Jesus disse que “mais bem-aventurado é dar do que receber” (At 20.35; Lc 6:38).

Entre os dons do Espírito Santo está o de contribuir (com a obra de Deus e com os pobres) (Rm 12.8).

Quando contribuímos, demonstramos despojamento dos bens terrenos, como Zaqueu (Mt 6.19,20; Lc 19.8).

Aquele que contribui com os necessitados:

a) Será abençoado em sua pessoa (Sl 41.1).
b) Será abençoado em seu nome (Sl 112.5-6).
c) Será abençoado em sua prosperidade (Pv 11.25).
d) Será abençoado em sua posteridade (Sl 37.26).
e) Será abençoado com vida longa (Sl 41.1-2).
f) Será abençoado no porvir (Ap 14.13)

Obras sociais que todos podemos fazer:

Distribuição de cestas básicas.
Ajuda em serviços domésticos.
Ajuda em trabalhos escolares.
Tomar conta de crianças para que os pais possam fazer algo.
Visita a idosos, doentes, presos, etc.
Prestação de serviço profissional: cabeleireiro, manicura, pintor, advogado, médico, enfermeiro, etc.

Jesus importou-se com as pessoas como um todo, corpo, mente e alma. O ministério de ação social cristã integral visa essas três dimensões, e assim procura atender as necessidades humanas sem motivos alheios, mas como expressão do amor de Deus em ação.




 Trabalho da Aluna Dulcinete Araújo.